quinta-feira, 30 de junho de 2011

E se


E se,

A moça não tivesse ido naquela viagem;

E se,

A moça não tivesse entrado naquele helicóptero;

E se,

Ela não tivesse aceito namorar aquele rapaz;

E se,

O namoro não tivesse durado tanto;

E se,

O menino não tivesse pego o carro da namorada emprestado;

E se,

O engarrafamento não a tivesse impedido de embarcar naquele avião;

E se,

A menina não tivesse ouvido os chamados da criança se afogando no mar;

E se,

A menina não tivesse ido à praia naquele domingo;

E se,

Ele não tivesse fumado tanto a vida toda;

E se,

Ele não tivesse aceito aquele emprego;

E se,

Ela tivesse dito SIM naquele momento de sua vida;

E se,

Ele não tivesse terminado aquele namoro naquele dia;

E se,

Eles não tivessem ido àquele churrasco naquele domingo;

E se,

Ela não tivesse engravidado naquele momento;

E se,

Ele não tivesse saído de bicicleta naquela tarde;

E se,

Aquele bebê tivesse resistido àquela doença;

E se,

A mulher tivesse dito NÃO àquela proposta profissional;

E se,

Ela tivesse aceito a proposta incondicionalmente;

E se,

Aquela união não tivesse chegado ao fim;

E se,

Ela tivesse se cuidado mais;

E se,

Ela não tivesse ido àquela viagem....


Como saber se a cada curva da vida, a cada bifurcação do destino, estamos escolhendo a opção certa?

14 comentários:

  1. Sandra
    A vida é feita de escolhas.
    No meu ver, tudo está certo, mas ainda não temos a visão Divina para entender o por que de tudo.
    Assim é a vida, repletas de ses, mas, porém...

    beijinhos e bom dia

    ResponderExcluir
  2. Sandra,

    Bom dia! Muita sabedoria para fazermos as escolhas certas! Também viajei no seu post!

    Muitos girassóis hoje!
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Boa pergunta Sandra!!
    Boa pergunta!!!

    Por isso o medo que existe dentro de nós de mudança!! Não sabemos o que virá!
    Se será a opção correcta??!! Não é?!

    Beijos
    Um dia muito feliz

    ResponderExcluir
  4. Mas na vida não existem "se's"...
    A vida raramente permite correcções de rota!

    ResponderExcluir
  5. Acredito que se ficarmos pensando no "SE" a vida não segue, muitas vezes temos que ser rápidos e escolher o caminho, mas quando "ouvimos" a voz do coração o se vira uma mera conjunção.

    Bjos

    ResponderExcluir
  6. Oi Sandra!

    Na minha vida existem muitos, e se..., mas infelizmente acho que nunca vou saber a resposta.


    São escolhas que fazemos no momento sem sabermos que pode afectar a nossa vida por toda
    a eternidade.:)

    Beijinhos da Formiguinha

    ResponderExcluir
  7. Eu já me fiz tantas perguntas- esperando que um que de mim, pudesse me responder.

    Ja questionei os absurdos das curvas que nem quis, eu já tentei voltar pelo mesmo atalho um dia escolhido por mim, já dividi uma pedra ao meio tentando encontrar água.

    Eu já quis um livro de respostas de mim.

    Hoje, entendo que sem os "se" metade de mim seria vazio.

    Um beijo enorme- adorei seu texto!

    Se puder- venha ler a mim- beijo!

    ResponderExcluir
  8. São os ses que nos prendem á vida...

    Beijo.

    ResponderExcluir
  9. Creio não ter resposta para essa pergunta,Sandra.
    O que penso saber diz respeito aos "Se" que cada um de nós coleciona vida afora, mesmo sem querer.Escolhas são componentes do dia-a-dia.Desde as mais banais até as vitais.Cabe-nos procurar distinguir com sabedoria e sorte o "Se" que melhor nos proverá de acertos e alegrias.

    Obs:Então conterrânea, que gostosa coincidência,heim?
    Tbém sou leonina.Fiz certa vez um mapa-astral. Vou procurá-lo para me lembrar dos detalhes.
    Fico muito contente que vc tenha gostado do texto que postei.Me chamou muito a atenção pois,é uma temática atual e mais próxima de nós do que pensamos.
    Tenha uma noite bem agradável.
    Bjos, querida,
    Calu

    ResponderExcluir
  10. Sandra, as coisas acontecem de acordo com cada escolha e ficar pensando no "E se" só vai nos fazer sofrer, o lance é encarar o que aconteceu do jeito que está!!!

    bjokitas com carinho pra ti ;)

    ResponderExcluir
  11. Gostei do post, instiga, faz pensar.
    O "e se" não se atém ao fundamental que é a realidade.
    "E se" é algo que criamos, pois não aceitamos a impermanência da vida, chega mesmo a afastar a nossa responsabilidade dos nossos atos, pois pode por na entidade “escolha” a culpa da “escolha”.
    Como se tivéssemos escolhido aquilo por conta das necessidades. Esta visão da escolha pode se tornar uma muleta para nossos erros.
    O “e se” cria um universo não existente que nos afasta da realidade, o “e se” trás o sofrimento, pois por não ser a realidade, sofreremos ao reencontrá-la.
    O “e se” não leva em conta as interdependências dos atos, imaginado que o universo é estático, e que a minha escolha e levaria a um mundo repleto de felicidades.
    Não, a minha escolha me levará a um leque novo de possibilidades, que de acordo com o que for decidido gerará dependências e ligações novas para frente. Este universo criado pela escolha será tão impermanente como o seria o futuro da outra decisão.
    Posso não gostar do que me tornei, mas não adianta imaginar “e se”.
    Devo entender no que me tornei , pois esta é a realidade. Se não gostei do que me tornei, posso mudar, lembrando sempre que o que decidir criará um novo Universo pela frente, pois meus atos interagem com tudo a minha volta.

    ResponderExcluir
  12. Realmente não dá para saber, no máximo intuir:

    "Num bosque amarelo dois caminhos se separam,
    E lamentando não poder seguir os dois
    E sendo apenas um viajante, fiquei muito tempo parado
    E olhei para um deles tão distante quanto pude
    Até onde se perdia na mata;
    [...]
    Direi isso suspirando
    Em algum lugar, daqui muito e muito tempo
    Dois caminhos se separam em um bosque e eu …
    Eu escolhi o menos percorrido
    E isso fez toda diferença."

    (Robert Frost)

    Ótima sexta-feira para você!

    ResponderExcluir