segunda-feira, 21 de março de 2011

Sobre Humilhação



Durante uma vida

a gente é capaz de sentir de tudo,

são inúmeras as sensações que nos invadem,

e delas a arte igualmente já se serviu com fartura.


Paixão,

saudades,

culpa,

dor-de-cotovelo,

remorso,

excitação,

otimismo,

desejo –

sabemos reconhecer

cada uma destas alegrias e tristezas,

não há muita novidade,

já vivenciamos um pouco de cada coisa,

e o que não foi vivenciado

foi ao menos testemunhado

através de filmes, novelas, letras de música.


Há um sentimento,

no entanto,

que não aparece muito,

não protagoniza cenas de cinema

nem vira versos com freqüência,

e quando a gente sente na própria pele,

é como se fosse uma visita incômoda.


De humilhação que falo.


Há muitas maneiras

de uma pessoa se sentir

humilhada.


A mais comum

é aquela em que alguém

nos menospreza diretamente,

nos reduz,

nos coloca no nosso devido lugar

- que lugar é este que não permite movimento, travessia?.


Geralmente são opressões hierárquicas:

patrão-empregado, professor-aluno, adulto-criança.


Respeitamos a hierarquia,

mas não engolimos a soberba alheia,

e este tipo de humilhação só não causa maior estrago

porque sabemos que ele é fruto da arrogância,

e os arrogantes nada mais são

do que pessoas com complexo de inferioridade.


Humilham para não se sentirem humilhados.


Mas e quando a humilhação não é fruto da hierarquia,

mas de algo muito maior e mais massacrante:

o desconhecimento sobre nós mesmos?


Tentamos superar uma dor antiga

e não conseguimos.


Procuramos ficar amigos de quem já amamos

e caímos em velhas ciladas armadas pelo coração.

Oferecemos nosso corpo e nosso carinho

para quem já não precisa nem de um nem de outro.


Motivos nobres, mas os resultados são vexatórios.


Nesses casos,

não houve maldade,

ninguém pretendeu nos desdenhar.


Estivemos apenas enfrentando o desconhecido:

nós mesmos,

nossas fraquezas,

nossas emoções mais escondidas,

aquelas que julgávamos superadas,

para sempre adormecidas,

mas que de vez em quando acordam para,

impiedosas,

nos colocar em nosso devido lugar.



Martha Medeiros

7 comentários:

  1. Esta e a pior das humilhaçoes. O bom e que passa, ne? Pois tudo passa nesta vida.
    bj
    M

    ResponderExcluir
  2. Esse é um dos piores sentimentos que existe, porque destrói a nossa auto-estima. A solução é seguir em frente e ganhar recursos pessoais, para que não se volte a repetir.

    Beijinhos e boa semana

    ResponderExcluir
  3. Gostei do texto, acho dificil escapar de momentos vexatórios, que muitas vezes nós procuramos sem saber, ou esperando uma mudança que não foi sinalizada, mas a gente espera, né? o jeito é levantar e seguir em frente. bjs

    ResponderExcluir
  4. Obrigada Sandra pela confiança em seguir minha dica. Obrigada pela honra de tê-la em meu Blog concorrendo a uma Joia minha. Boa Sorte.
    Grande abraço e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  5. Adorei o texto, beijos Sandra!!!!

    ResponderExcluir
  6. Oi Sandra!

    Realmente, a origem de muitas coisas que nos acontecem é a falta de conhecimento sobre nós mesmos. Nós sofremos com isso! Por vezes nos imaginamos de tal e tal jeito, mas quando acontece algo, percebemos que não somos aquilo que pensávamos.
    Daí vem as desilusões, as desesperanças, as tristezas e humilhações.
    Mas crescer é isso: se auto-conhecer.

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  7. Sandra,
    A humilhação é um sentimento muito ruim, que acaba com a gente, nos deixa pra baixo. Temos que ter a autoestima hiper elevada para não nos abatermos.E temos!!!
    Beijo com muito carinho.

    ResponderExcluir